VERBETES:

 Lucia Chermont

 

 

Imprensa em língua Iídiche no Brasil

Publicado em 14/02/2018.
Atualizado em 07/03/2018.

O iídiche é uma língua de origem indo-europeia, falada predominantemente pelos judeus que viviam na Europa Central e Oriental. Sua composição é diversificada, formada principalmente pela base fonética da língua germânica, hebraica e do aramaico pós-clássico. Utiliza o alfabeto hebraico na sua representação escrita e mistura também várias outras línguas, como o eslavo, o polonês, o ucraniano e o russo.

A história da imprensa iídiche no Brasil está intimamente ligada à história da formação da comunidade judaica proveniente destas regiões. Segundo Nachman Falbel1, a imprensa judaica em língua ídiche, produzida pelos judeus que vieram dos países da Europa Central e Oriental, surgiu em 1915, na cidade de Porto Alegre, com o periódico Di Menscheit (A Humanidade), que não teve longa duração, saíram 06 números, iniciativa do jornalista vindo da Argentina conhecido como Josef Halevi. Este mesmo jornalista publicou o Di Idiche Tzukunft (O Futuro Israelita), em 1920. Teve também pouca duração, saíram dois números.

No Rio de Janeiro a imprensa iídiche surgiu em 1923, com o Dos Iidiche Vochenblat (O Semanário Israelita). Além desta, vários tipos de publicações surgiram na comunidade carioca: jornais literários que divulgavam poesia, literatura de autores locais e clássicos da literatura iídiche; periódicos com finalidades sociais e culturais pertencentes aos movimentos juvenis; e também a imprensa iídiche “partidária” que representava correntes ideológicas trazidas pelos imigrantes.

Na década de 1920, de maneira geral, os periódicos tinham vida curta. Somente o Iidiche Presse (Imprensa Judaica) foi um dos poucos que tiveram longa duração. Criado em 1929, fechou em 1940 devido à proibição, pelo governo brasileiro, das publicações de jornais e revistas em língua estrangeira. Quando o país voltou a permitir tais publicações, o “Iídiche Presse” voltou a circular até 1988.

A comunidade judaica de São Paulo criou seu primeiro periódico, Idicher Gezelschaftlicher un Handels Biuletin (Boletim Social e Comercial Judaico), em 1928. Depois deste surgiu o Di Iídiche Velt (O mundo israelita), no mesmo ano pouco depois. Durou pouco, saíram apenas seis números. Em fins de 1929 a Folha da Manhã abriu espaço para publicação de uma folha em outra língua, como anexo ao jornal. Foi publicada uma folha em iídiche com pouco sucesso, terminou no ano seguinte. Em 1931 foi fundado o periódico San Pauler Iídeche Tzeitung (Jornal Israelita de São Paulo). Este jornal a partir de 1939 sairia diariamente até a proibição dos jornais em língua estrangeira. Em 1937 surgiria a Gazeta Israelita de São Paulo. Em São Paulo também foram publicados boletins literários, partidários, juvenis alguns bilíngues iídiche/ português. Todos encerraram suas atividades em função da proibição de publicações em língua estrangeira, em 1940.

Após a retirada da legislação de restrição alguns jornais voltaram e outros foram criados, como o Der Neier Moment (O Novo Momento), em 1947, foi publicado até 1983. O semanário Unzer Shtime (Nossa Voz), produzido pelos judeus progressistas de esquerda da comunidade de São Paulo e vinculado à Casa do Povo, existiu de 1947 a 1964. Foi fechado pela ditadura militar, obrigando o seu editor-chefe Hersch Schechter e outros colaboradores a se exilarem.

Infelizmente na Europa e no Brasil o uso da língua iídiche foi drasticamente reduzido. Lá o advento do nazismo e o massacre de quase toda a comunidade judaica europeia fez a língua entrar em declínio, outro fator que contribuiu foi a criação do Estado de Israel, que fez renascer o hebraico como língua falada no dia a dia. Aqui a interação com a comunidade brasileira em português provocou a diminuição de seu uso e do seu conhecimento pelas novas gerações.

Imagens: primeira página dos jornais A Gazeta Israelita de São Paulo, 1937; O Futuro Israelita, Porto Alegre, 1920; O Semanario Israelita, Rio de Janeiro, 1923.

Nota:

Falbel, Nachman. Judeus no Brasil: estudos e notas – São Paulo: Humanitas; Edusp, 2008

Para citar este artigo:
CHERMONT,  Lucia. Imprensa em língua Iídiche no Brasil. In Site TRANFOPRESS Brasil, disponível em: <http://transfopressbrasil.franca.unesp.br/verbetes/imprensa-em-lingua-iidiche-no-brasil>